Estrutura móvel oferece vantagens na hora de secar o café

26/04/2017|

Barcaça Seca Café, idealizada pela Embraba Rondônia, é prática e seu custo viável para o produtor rural. Foto: Divulgação

Praticidade de operação que garanta a qualidade do café na hora de secá-lo, após a colheita, aliada a um custo viável aos produtores no campo. Qual cafeicultor brasileiro não gostaria de ter todas estas vantagens juntas e ao mesmo tempo? Nem é preciso ir muito longe para descobrir que isto já é uma realidade, graças ao desenvolvimento da Barcaça Seca Café, idealizada e construída pela Embrapa Rondônia.

A estrutura, que encobre o terreiro, possui facilidade de manuseio por meio de cobertura móvel, que pode ser adaptada a qualquer espaço de cimento convencional, tradicional em propriedades que cultivam o café no País. Além desta base, o mecanismo é composto por uma estrutura metálica e telhas de plástico transparentes ou lona de plástico.

“Este terreiro é uma tecnologia viável para o produtor, pois diminui mão de obra. É um processo de secagem com qualidade e de baixo custo e ecologicamente sustentável, pois utiliza a luz do sol”, explica Enrique Alves, pesquisador da Embrapa Rondônia e responsável pela nova tecnologia.

Segundo ele, a Barcaça Seca Café é uma boa alternativa aos cafeicultores por ser ecologicamente sustentável, se comparada aos métodos mais usados por este segmento, que são o terreiro suspenso, o de cimento, a estufa e o secador a lenha de fogo indireto. A nova tecnologia demonstrou ser eficiente e acessível para aqueles que desejam aprimorar a qualidade do café produzido em terras brasileiras.

 

CUSTOS DE OPERAÇÃO

Com custo operacional de 13 reais por saca, em média, a estrutura móvel oferece uma secagem homogênea e sem fermentação, proporcionando um produto de boa qualidade de bebida. Para que seja possível uma comparação, o pesquisador calcula o custo médio também de outros métodos de secagem do café.

O secador a lenha de fogo direto ou indireto apresenta um custo aproximado de 17 reais por saca, por exemplo. Apesar de ser um sistema de alto rendimento, o secador mecânico, de lenha ou carvão, demanda maior investimento no momento da aquisição, necessita de combustível, lenha ou carvão, o que pode ser um problema em regiões onde esta matéria-prima não é abundante, pontua o idealizador da Barcaça Seca Café.

Alves ressalta ainda que o grão obtido por este sistema mais antigo é de baixa qualidade, principalmente quando são respeitadas as recomendações técnicas de secagem, como a temperatura adequada, e se utiliza fornalha de fogo direto, o que lança fumaça na massa do produto.

A secagem terceirizada no operador do secador mecânico custa, em média, 25 reais por saca. Sua desvantagem é a grande distância dos pontos de secagem até a propriedade rural, além do uso indiscriminado de altas temperaturas, que costumam ultrapassar os 200°C, bem acima da recomendada, entre 35°C e 40°C, gerando um café de baixíssima qualidade.

 

OUTROS COMPARATIVOS

O terreiro suspenso coberto, explica Alves, fornece um café de qualidade, mas o processo é mais lento e apresenta um custo quase 30% superior ao da Barcaça Seca Café. Os gastos da operação da secagem no terreiro de cimento, por sua vez, são compatíveis aos da estrutura móvel da Embrapa, mas o contato dos grãos com a chuva, após iniciado o processo, pode facilitar a proliferação de fungos e a fermentação, o que deprecia a qualidade da bebida.

As estufas com coberturas plásticas transparentes vêm se tornando cada vez mais populares por proporcionarem uma secagem de qualidade. Entretanto, o pesquisador alerta para um problema de saúde.

“O trabalhador tende a sofrer efeitos do estresse de temperatura interna superior a 50° C. Isto torna o ambiente desagradável e insalubre nos momentos de manejo do café, principalmente nos horários de alta radiação solar. Já a Barcaça Seca Café não traz este problema, porque a cobertura móvel facilita o momento da movimentação dos frutos e grãos durante o processo de secagem”, compara o pesquisador da Embrapa Rondônia.

 

CUSTOS DE INSTALAÇÃO

A estrutura móvel da Barcaça tem custo de instalação superior ao terreiro suspenso e ao de cimento tradicional, mas Alves garante que as vantagens com a redução de mão de obra, a facilidade de operação, a garantia de qualidade em um processo de secagem com temperatura adequada e viável, até mesmo ao pequeno produtor, são as principais vantagens da estrutura em relação ao custo-benefício.

Para justificar, o pesquisador exemplifica: um pequeno produtor, com área de seis hectares de café e produtividade média de 50 sacas por hectare, teria uma produção de 500 sacas por safra. Considerando o custo de secagem médio de 25 reais por saca de café beneficiado, resultaria no total de R$12,5 mil em serviço terceirizado em secadores mecânicos.

Já o custo estimado de secagem por meio da Barcaça Seca Café é de 13 reais por saca beneficiada, o que proporciona uma economia de quase 50%. “O cenário fica ainda melhor se pensarmos que o próprio produtor pode realizar o processo de secagem incorporando este valor à sua renda. A economia poderia amortizar o investimento na Barcaça Seca Café em poucos anos. Além disto, com a produção de café com qualidade, há grande possibilidade de valor agregado na hora de vender o grão”, afirma o idealizador do projeto.

 

MAIS VANTAGENS

A redução do uso de mão de obra no manuseio da Barcaça Seca Café é outra vantagem a ser considerada, destaca Alves: “Com a tecnologia, não é necessário fazer a amontoa do café nos períodos de chuva, ou mesmo durante a noite. O telhado móvel permite cobrir e descobrir o terreiro; já as roldanas, localizadas na base do mecanismo, oferecem leveza à grande estrutura e são necessárias apenas duas horas diárias de mão de obra, durante os quatro primeiros dias e uma hora para os demais”.

O pesquisador também relata outro benefício para o cafeicultor: a utilização de energia solar, que oferece a secagem em temperatura próxima à ideal e sem gerar poluentes. O equipamento permite ainda a secagem de grãos, como arroz, feijão, entre outros.

Pensada para os pequenos e médios produtores, que poderiam escalonar sua colheita conforme o avanço do índice de maturação dos frutos nos diferentes talhões, a Barcaça Seca Café se adéqua muito bem ao grande produtor, que trabalha com cafés diferenciados, uma vez que ela proporcionaria uma segregação do café em pequenos lotes, separação que não seria possível com um secador mecânico convencional, garante Alves.

 

Assine e receba os exemplares da Revista A Lavoura em sua casa. Entre em contato pelo e-mail: assinealavoura@sna.agr.br

 

Fonte: Revista A Lavoura – Edição nº 716/2016