Embrapa realiza 1º Curso Itinerante e Dia de Campo em Minas Gerais

Publicado em 20/04/2017

Curso de ILPF realizado pela Embrapa Gado de Corte, em Campo Grande, terá 1ª edição itinerante em maio. Foto: Kadijah Suleiman/Divulgação

A Embrapa Gado de Corte e a Associação Mineira dos Criadores de Zebu realizam, dias 9 e 10 de maio, o 1º Curso Itinerante de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), no Parque de Exposição Antônio Ernesto de Salvo, em Curvelo (MG).

A finalidade é apresentar conceitos, projetos, técnicas e resultados de sistemas ILPF para produtores rurais, comunidade científica, técnicos e extensionistas, empresários e microempresários da cadeia produtiva da carne e do setor florestal. Estão disponíveis 120 vagas. A inscrição custa 50 reais e pode ser feita pelo endereço eletrônico http://bit.ly/2nwN2ej

De acordo com a pesquisadora Fabiana Villa Alves, o objetivo é levar o curso, já realizado há alguns anos na Embrapa Gado de Corte (Campo Grande, MS), a várias regiões do Brasil.

“Temos uma grande demanda para que seja feito em outros lugares, daí a ideia de realizar o curso itinerante com o apoio de pesquisadores da Embrapa Gado de Corte e de outras Unidades da Embrapa próximas aos locais onde serão realizados”, diz Fabiana.

Ao falar sobre a importância do curso na região, o pesquisador em Sistemas de Produção da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas, MG), Emerson Borghi, que também será um dos palestrantes, explica que a região Central de Minas se baseia na pecuária de corte e leite e que, durante o período de verão, de acordo com dados de precipitação dos últimos anos, as chuvas tornaram-se mal distribuídas, com períodos de veranico cada vez mais frequentes e duradouros.

Segundo informações do Instituto Antonio Ernesto de Salvo (Inaes), da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a grande maioria das pastagens da região encontra-se em estado avançado de degradação, com baixa lotação animal por área.

“Os sistemas de ILPF, principalmente pelo cultivo consorciado de culturas produtoras de silagem e/ou grãos consorciadas com forrageiras tropicais perenes, têm um vasto potencial para a região, tendo como objetivo a intensificação do uso do solo por meio do cultivo simultâneo de espécies com propósitos múltiplos”, explica o pesquisador.

Além da produção de silagem ou de grãos, continua Emerson Borghi, “a forrageira que está consorciada poderá se beneficiar do final das temperaturas altas e da precipitação para formar pastagem a partir do mês de março, com forragem de qualidade e quantidade numa época em que a maioria das pastagens degradadas não consegue produzir”.

Ele ainda destaca que “a inclusão de árvores em sistemas agropastoris pode proporcionar conforto térmico aos animais, o que é importante nesta região, em razão das altas temperaturas nos períodos de primavera até início do outono”.

 

LANÇAMENTO

Em complemento ao curso de ILPF, no dia 11 de maio, das 8 às 13 horas, a Embrapa Gado de Corte e a Embrapa Gado de Leite (Juiz de Fora), também em parceria com a Associação Mineira dos Criadores de Zebu, realizam o Dia de Campo Integração Lavoura-Pecuária-Floresta, na Fazenda Lagoa dos Currais, em Cordisburgo. Na ocasião, será lançada a Unidade de Referência Tecnológica (URT) Carne Carbono Neutro (CCN) na propriedade.

A marca-conceito CCN, foi desenvolvida pela Embrapa com a finalidade de atestar a carne bovina produzida com alto grau de bem-estar animal, na presença do componente arbóreo, em sistemas de integração do tipo silvipastoril (pecuária-floresta, IPF) ou agrossilvipastoril (lavoura-pecuária-floresta, ILPF). Nessas condições, as árvores neutralizam o metano entérico exalado pelos animais, um dos principais gases responsáveis pelo efeito estufa que provoca o aquecimento global.

Segundo o pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Roberto Giolo, a carne produzida no sistema com árvores pode ser certificada com a adoção do protocolo CCN.

“O conceito pode impulsionar a exportação, principalmente para o mercado europeu que é muito exigente. A perspectiva é melhorar a visibilidade da carne brasileira e promover maior adoção dos sistemas ILPF e IPF no Brasil”, destaca.

O sócio proprietário da Agropecuária Lagoa dos Currais, Gustavo Pitangui de Salvo, complementa que a partir da implantação do sistema ILPF nas propriedades, somado aos conceitos de gestão e genética, criou-se a necessidade de chancelar o modelo.

“Buscamos informações e premissas junto aos pesquisadores da Embrapa Gado de Corte, Fabiana Alves e Roberto Giolo, onde prontamente fomos atendidos e visitados. Temos convicção que estamos tratando de uma revolução produtiva, onde novos conceitos serão validados, permitindo num futuro próximo, maior valor agregado aos nossos produtos além de uma produção ecoeficiente”.

 

PROGRAMAÇÃO

A programação do curso pode ser encontrada pelo link (encurtado) ow.ly/A05y30b1gUs e do Dia de Campo em ow.ly/GCQF30b1h2G.

 

APOIO

O curso ILPF conta com o apoio de: Embrapa Gado de Leite, Embrapa Milho e Sorgo, Rede de Fomento ILPF (Cooperativa Agroindustrial Cocamar, Dow AgroSciences, John Deere, Parker e Syngenta), Seleção Guzerá, Sindicato dos Produtores Rurais de Curvelo, Valfran, Curvelo Poços Artesianos, Adubos Vanguard, Emater-MG e Instituto Mineiro de Agropecuária.

O Dia de Campo tem o apoio da: Rede de Fomento ILPF, Merial, Casa do Fazendeiro, Sertrama, John Deere, Associação Mineira de Silvicultura, Sistema Faemg e Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais.

 

Fonte: Embrapa Gado de Corte

Boletim semanal de notícias da SNA por e-mail.

Cadastre-se para receber o boletim

Veja as últimas edições

 

Últimas notícias