Academia Nacional de Agricultura planeja enviar propostas ao governo

19/04/2017|

“Além das avaliações de questões de curto prazo, a Academia também volta seu olhar para o médio e longo prazo, refletindo sobre as deficiências e mazelas do país e suas consequências”, diz Caio Carvalho, presidente da Academia Nacional de Agricultura da SNA. Foto: Raul Moreira/Arquivo SNA

A Academia Nacional de Agricultura pretende estreitar os laços com o governo a fim de elaborar, debater e encaminhar propostas voltadas para a sustentabilidade do agronegócio. A declaração foi feita pelo presidente da entidade, Luiz Carlos Corrêa Carvalho.

“Vivemos um momento de preparo para essa questão, que certamente passará pelo diálogo com o atual governo e com os potenciais candidatos ao governo brasileiro em 2018. Serão propostas sempre focadas na linha da sustentabilidade”, ressaltou Carvalho.

Para ele, a Academia Nacional de Agricultura – que foi inaugurada em 2003 pela Sociedade Nacional de Agricultura (SNA) – funciona como um “centro do pensamento da agropecuária nacional”, e seu propósito é “debater as grandes questões do setor, levando em consideração o agronegócio como base da economia brasileira”.

“Além das avaliações de questões de curto prazo, a Academia também volta seu olhar para o médio e longo prazo, refletindo sobre as deficiências e mazelas do país e suas consequências”, complementou Carvalho, que também é presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag).

 

FORÇA DO AGRO

Ao analisar o momento atual, Carvalho afirmou que “se o país reduzir o Custo Brasil, melhorar a logística e implementar acordos bilaterais positivos, o agronegócio terá um considerável avanço”. Apesar dos últimos acontecimentos envolvendo o agro brasileiro, o presidente da Abag acredita que o setor, de qualquer forma, ganhará mais força.

“Estamos vivendo um momento ímpar, diferente de tudo o que vimos ou aprendemos nos livros de História do Brasil. Isso é muito rico, mas ao mesmo tempo desestabilizante”, reconheceu Carvalho.

“A operação Carne Fraca é o lado ‘escuro’ das ações policiais com o olhar na vaidade, o que nos assusta. A questão do Funrural é uma demonstração de divisão que também amedronta, mas tenho esperanças que seus impactos sejam reduzidos. Seja qual for o caminho que será definido em 2018, o Brasil conta com o agro que, em minha opinião, sairá fortalecido disso tudo”, ressaltou o presidente da Academia Nacional de Agricultura.

Segundo ele, o país tem capacidade para desempenhar um importante papel em termos globais. “Em um mundo onde os limites físicos vão ficando mais claros, o Brasil é a luz e o potencial para alimentar esse planeta, com o reconhecimento da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e de outros organismos”.

 

MEMBROS DA ACADEMIA

Fundador e Patrono: Octavio Mello Alvarenga

Presidente: Luíz Carlos Corrêa Carvalho

Cadeira Patrono Titular
1 Ennes de Souza Roberto Ferreira da Silva Pinto
2 Moura Brasil Jaime Rotstein
3 Campos da Paz Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira
4 Barão de Capanema Francelino Pereira
5 Antonino Fialho Maurício Antonio Lopes
6 Wencesláo Bello Ronaldo de Albuquerque
7 Sylvio Rangel Tito Bruno Bandeira Ryff
8 Pacheco Leão Lindolpho de Carvalho Dias
9 Lauro Muller Flávio Miragaia Perri
10 Miguel Calmon Paulo Manoel Lenz Cesar Protásio
11 Lyra Castro Marcus Vinícius Pratini de Moraes
12 Augusto Ramos Roberto Paulo Cezar de Andrade
13 Simões Lopes Rubens Ricúpero
14 Eduardo Cotrim Pierre Landolt
15 Pedro Osório Luíz Carlos Corrêa Carvalho
16 Trajano de Medeiros Israel Klabin
17 Paulino Fernandes José Milton Dallari Soares
18 Fernando Costa João de Almeida Sampaio Filho
19 Sérgio de Cavalho Sylvia Wachsner
20 Gustavo Dutra Antônio Delfim Netto
21 José Augusto Trindade Roberto Paraíso Rocha
22 Ignácio Tosta João Carlos Faveret Porto
23 José Saturnino Brito Sérgio Franklin Quintella
24 José Bonifácio Kátia Abreu
25 Luiz de Queiroz Antônio Cabrera Mano Filho
26 Carlos Moreira Jório Dauster
27 Alberto Sampaio Elizabeth Maria M. Querido Farina
28 Epaminondas de Souza Antonio Melo Alvarenga Neto
29 Alberto Torres Arnaldo Jardim
30 Carlos Pereira de Sá Fortes John Richard Lewis Thompson
31 Theodoro Peckolt José Carlos Azevedo de Menezes
32 Ricardo de Carvalho Afonso Arinos de Mello Franco
33 Barbosa Rodrigues Roberto Rodrigues
34 Gonzaga de Campos João Carlos de Souza Meirelles
35 Américo Braga Fábio de Salles Meirelles
36 Navarro de Andrade Leopoldo Garcia Brandão
37 Mello Leitão Alysson Paolinelli
38 Aristides Caire Osaná Sócrates de Araújo Almeida
39 Vital Brasil Denise Frossard
40 Getúlio Vargas Luís Carlos Guedes Pinto
41 Edgard Teixeira Leite Erling Lorentzen
42 Elvo Santoro Gustavo Diniz Junqueira
43 Antônio Ernesto W. de Salvo Eliseu Alves
44 Walmick Mendes Bezerra Walter Yukio Horita
45 Octavio Mello Alvarenga Ronald Levinsohn
46 Nestor Jost Francisco Turra
47 Edmundo Barbosa da Silva Maurílio Biagi Filho
48 Ibsen de Gusmão Câmara Izabella Mônica Vieira Teixeira
49 Antonio Ermírio de Moraes João Guilherme Ometto
50 Joel Naegele Alberto Werneck de Figueiredo
51 Luiz Marcus Suplicy Hafers Cesário Ramalho da Silva

 

Por equipe SNA/RJ