9 de setembro: Conselho Federal homenageia médicos veterinários ao contar suas histórias

08/09/2017|

“A medicina veterinária é essa beleza toda, essa preocupação com o meio ambiente, com os animais e com os seres humanos”, diz o médico veterinário Luis Rodrigo Ferraz de Almeida. Foto: Divulgação

Produção de alimentos, pesquisa, conservação ambiental. Essas são as inúmeras áreas e a atuação da medicina veterinária, que vão além da clínica, afetando de maneira direta a saúde e o bem-estar da população. Em nove de setembro, quando se comemora o Dia do Médico Veterinário, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) parabeniza mais de 116 mil profissionais em atividade no Brasil, contando a história de profissionais que têm orgulho em seguir essa vocação.

Desde que se formou em Medicina Veterinária, há oito anos, Luis Rodrigo Ferraz de Almeida já trabalhou em diversas áreas. No seu currículo constam atuações com gado de leite, reprodução, clínica, nutrição, vendas e diversas outras atividades relacionadas à produção animal.

“O médico veterinário vai para a faculdade e vê um mundo tão grande, uma área de abrangência tão grande. E quando você sai, quer abraçar o mundo”, diz Ferraz.

Hoje, trabalhando com assistência técnica e assessoria agropecuária, ele tem a oportunidade de colocar em prática toda sua experiência, prestando serviços para propriedades rurais, em diversas cidades brasileiras.

Sua rotina é agitada, exigindo dedicação e talento: “Uma hora estou trabalhando na parte de extensão, no manejo de pastagens, no manejo de rebanho. Outra hora eu estou aqui, apalpando vaca, inseminando, mexendo com grão, atendendo a um caso com cavalo ou com um boi. Na outra hora, estou fazendo uma cirurgia”, enumera o médico veterinário.

AMPLO MERCADO

A carreira diversificada de Ferraz é um exemplo de como o mercado de trabalho da medicina veterinária é amplo. Isso ocorre porque esse profissional é o único capacitado para atuar nas três áreas de saúde: animal, humana e ambiental – a tríade que forma a “Saúde Única”.

Quando está presente nas propriedades rurais brasileiras, o médico veterinário preza pela saúde e bem-estar dos animais, desde a inseminação, ao longo de todo o processo de produção de alimentos como leite e ovos, até o momento do abate.

Esse trabalho reflete diretamente na qualidade dos alimentos que chegam à mesa do consumidor, influenciando também na saúde humana.

NOVO CÓDIGO DE ÉTICA

“A medicina veterinária é essa beleza toda, essa preocupação com o meio ambiente, com os animais e com os seres humanos”, diz Ferraz. Esse, inclusive, é um dos princípios que guiam o novo Código de Ética do Médico Veterinário, que entra em vigor neste dia nove de setembro de 2017.

“O médico veterinário é o responsável pela produção de produtos de origem animal e também dos seus subprodutos, fazendo com que haja quantidade e qualidade, e que isso possa chegar à mesa do consumidor com a inocuidade necessária para não transmitir doenças”, descreve Benedito Fortes de Arruda, presidente do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV).

“Nós, médicos veterinários, trabalhamos na vigilância sanitária, na defesa sanitária animal, nos laboratórios de pesquisas, dentro das instituições de ensino, na saúde pública veterinária e no meio ambiente. Em todos esses aspectos, existe o papel fundamental do médico veterinário”, lista Arruda.

“O médico veterinário é o responsável pela produção de produtos de origem animal e também dos seus subprodutos, fazendo com que haja quantidade e qualidade, e que isso possa chegar à mesa do consumidor com a inocuidade necessária para não transmitir doenças”, descreve Benedito Fortes de Arruda, presidente do CFMV. Foto: Divulgação

SAÚDE ÚNICA

Graças ao trabalho desse profissional, a população está protegida de zoonoses, que são as doenças transmitidas entre animais e seres humanos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), dois terços das doenças infecciosas humanas têm origem em animais, como é o caso da raiva, da leishmaniose e da dengue.

Ao longo das três últimas décadas, estima-se que 75% das novas doenças emergentes em humanos sejam zoonoses.

PARCERIA COM O SUS

A atuação do médico veterinário em defesa da saúde e do bem-estar humano está presente, por exemplo, nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf), equipes multidisciplinares criadas com o objetivo de ampliar a abrangência e o escopo das ações da atenção básica.

No total, são 114 médicos veterinários trabalhando nessa área, em 19 Estados brasileiros, atuando em ações clínicas, no desenvolvimento de projetos e em intervenções junto a famílias e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

“O médico veterinário está presente em dezenas de áreas de atuação para que possa certificar e assegurar que o ser humano tenha tranquilidade de poder consumir um produto, de poder ser imunizado, de poder ser medicado, ou no trabalho de conscientização do médico veterinário com o humano para evitar inclusive as transmissões de agentes patogênicos”, reforça o médico veterinário Rodrigo Müller, que se dedica à experimentação animal para pesquisas científicas.

Ele chefia o Laboratório de Experimentação Animal de Bio-Manguinhos da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro (RJ), atuando no controle de qualidade e em pesquisas de desenvolvimento de vacinas contra doenças como a febre amarela, dengue e zika.

Médico veterinário Rodrigo Müller chefia o Laboratório de Experimentação Animal de Bio-Manguinhos da Fundação Oswaldo Cruz (RJ), atuando no controle de qualidade e em pesquisas de desenvolvimento de vacinas contra doenças como a febre amarela, dengue e zika. “É muito gratificante, me sinto emocionado, inclusive, de ter participado do controle de qualidade das vacinas, para poder atender à saúde pública.” Foto: Divulgação

Para o especialista, “é muito gratificante, me sinto emocionado, inclusive, de ter participado do controle de qualidade das vacinas, para poder atender à saúde pública”. “É muita dedicação do médico veterinário para que a gente consiga fazer com que todo esse trabalho possa chegar a um posto de saúde, em um bebê, em uma pessoa idosa, a diversas populações, brasileiras e de outros países”, descreve Müller.

MEIO AMBIENTE

No terceiro pilar da “Saúde Única” está o meio ambiente, que também é preservado por meio de ações que visam à prevenção contra a transmissão de doenças e a conservação do precioso equilíbrio dos biomas tão importantes para o futuro dos animais e da população.

Médica veterinária e diretora do Parque das Aves em Foz do Iguaçu (PR), Paloma Bosso, durante seu trabalho diário de reabilitação e de conservação ambiental, tem a oportunidade de colocar em prática uma extensão de conhecimentos que acumulou na universidade e depois na prática.

“Não basta só gostar dos bichos, a gente tem de dedicar nosso tempo, nossa vida, a cuidar deles. Não é só curar os animais, mas oferecer um tipo de tratamento diário onde a gente possa, de maneira tanto preventiva quanto terapêutica, oferecer os melhores cuidados em quaisquer circunstâncias”, declara Paloma.

 

Médica veterinária e diretora do Parque das Aves em Foz do Iguaçu (PR), Paloma Bosso diz que “se conseguirmos trabalhar de forma que o bem-estar seja único para seres humanos, para os animais e para o meio ambiente, a gente terá atingido um grau com certeza muito melhor de convivência com a humanidade”. Foto: Divulgação

Ela também é integrante da Comissão de Ética, Bioética e Bem-Estar Animal (Cebea) do CFMV e responsável por mais de 1,4 mil animais, a maioria deles recuperados do tráfico e de situações de risco.

Conforme o Conselho, seu trabalho é fundamental para projetos dedicados a salvar espécies inteiras de extinção, além de colaborar para a conscientização do público sobre a importância do respeito aos animais e ao meio ambiente.

“Se conseguirmos trabalhar de forma que o bem-estar seja único para seres humanos, para os animais e para o meio ambiente, a gente terá atingido um grau com certeza muito melhor de convivência com a humanidade”, acredita a médica veterinária. “É uma profissão muito nobre, que requer uma responsabilidade muito grande”, acrescenta.

CAMPANHA #SOUVET

O orgulho profissional é o tema da campanha do Dia do Médico Veterinário promovida pelo CFMV, em 2017. Com o conceito “Sou Vet”, a iniciativa reúne depoimentos reais de médicos veterinários, que se dedicam a diferentes áreas de atuação, buscando valorizar a contribuição desses profissionais para o bem-estar e a saúde de animais e da sociedade.

Acesse a página da campanha e conheça melhor as histórias que fazem parte da iniciativa #SouVet.

AÇÕES COMEMORATIVAS

O Dia do Médico Veterinário será celebrado ao longo de todo o mês de setembro, por meio de uma série de ações que será divulgada em diversas mídias. O objetivo do Conselho Federal de Medicina Veterinária é criar um sentimento de identificação com os médicos veterinários brasileiros, despertando nos profissionais o orgulho que eles sentem em atuar nessa nobre profissão.

O médico veterinário é o protagonista dessa homenagem, portanto, o CFMV convoca todos os profissionais a participarem dessa iniciativa, para que possam se sentir inspirados pela campanha, divulgando, inclusive, suas próprias histórias. Basta postar um depoimento por meio das mídias sociais usando a hashtag #SouVet.

Fonte: Assessoria de Comunicação do CFMV com edição d’A Lavoura