3 de outubro: A Lavoura comemora Dia Nacional do Petróleo contando a história da Petrobras

03/10/2017|

Dia Nacional do Petróleo é comemorado no mesmo dia da criação da Petrobras, em 3 de outubro de 1953, pelo então presidente Getúlio Vargas. Foto: Divulgação Globo

O petróleo está mais presente em nossa vida do que podemos imaginar. Além dos combustíveis que movem veículos na terra, no ar e na água, os derivados do “ouro negro” podem ser encontrados na parafina, no asfalto, nas tintas de parede, nos lubrificantes, no nylon, no plástico e até no chiclete. Tanta versatilidade pode explicar por que a substância é tão importante.

Importância tamanha que, no dia três de outubro, é comemorado o Dia do Petróleo Brasileiro (ou Dia Nacional do Petróleo). A data não foi escolhida por acaso. Nessa data, no ano de 1953, o então presidente Getúlio Vargas sancionava a Lei nº 2004, que criava a Petróleo do Brasil S.A. (Petrobras), empresa que cuidaria da gestão do recurso no país.

Desde o final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), havia uma intensa discussão sobre como fazer a exploração do petróleo no Brasil. Em meados de 1946, existia um projeto de lei no Congresso que permitia que empresas estrangeiras explorassem o subsolo brasileiro. Se fosse encontrado o petróleo, elas pagariam royalties pela exploração do recurso.

Um grupo nacionalista, formado por militares e militantes do Partido Comunista Brasileiro, defendia que o petróleo era estratégico e de extrema importância para o desenvolvimento do país e, por isso, não deveria ser explorado por empresas estrangeiras.

A polêmica se estendeu até 1953. Quando a Petrobras foi criada, ficou responsável pela exploração, produção, refino e transporte do petróleo. Esse monopólio durou até 1997, quando uma lei federal permitiu que empresas estrangeiras participassem desse processo.

FORMAÇÃO E VERSALIDADE

O petróleo é formado a partir de matéria orgânica que habitava lagos, mares e oceanos há milhões de anos. Ao contrário do que se imagina, ele não é formado de restos de dinossauro, mas sim de microrganismos como fitoplânctons e zooplânctons que, quando morrem, são depositados no fundo dos ambientes onde vivem, junto de outros sedimentos, como argila, silte e areia.

À medida que novas camadas de sedimentos se formam, essas camadas de matéria orgânica se encontram em áreas de maior pressão e temperatura. Quando a temperatura chega a uma média de 65° a 75° celsius, forma-se um ambiente propício à criação do petróleo.

A matéria orgânica se decompõe dando origem aos chamados hidrocarbonetos, substâncias formadas basicamente por hidrogênio e carbono. Essas substâncias podem estar tanto em estado líquido, como sólido (betume) e gasoso, o gás natural utilizado em automóveis e também nas casas. Essas substâncias são armazenadas em rochas porosas, conhecidas como rochas reservatórios.

Após extraído, o óleo bruto passa por um processo chamado refino. Como o petróleo é composto por diferentes tipos de hidrocarbonetos, que evaporam a temperaturas distintas, o refino acontece justamente aquecendo a substância. O gás liquefeito de petróleo (GLP), que dá origem ao gás de cozinha, é extraído a menos de 40°C.

A nafta (utilizada para acender lampiões e produzir plástico) é extraída entre 60°C e 100°C; a gasolina, entre 40°C e 200°C; o querosene, entre 175°C e 320°C; o óleo diesel, entre 250°C e 350°C; o óleo lubrificante, de 300°C a 370°C; o óleo combustível, de 370°C a 600°C; e os compostos que formam o asfalto a partir de 600°C.

ORIGEM DA EXPLORAÇÃO

O primeiro poço de petróleo semelhante aos que existem hoje foi perfurado na Pensilvânia, Estados Unidos, em 1859. Edwin Drake desenvolveu uma forma para extrair o óleo do solo, se tornando o primeiro produtor da história. Apesar de a perfuração do Coronel Drake ser relativamente recente, existem registros do uso da substância há seis mil anos.

Naquela época, o petróleo já era utilizado para produzir asfalto, fixar pisos e tijolos e também para aquecimento, quando era encontrado na forma de betume. Existem registros de uso do petróleo nos Jardins Suspensos da Babilônia e como arma de guerra pelos bizantinos. Na China, pequenos poços eram perfurados para a extração de petróleo que, quando queimado, evaporava a salmoura e produzia o sal.

Fonte: Rede Globo com edição d’A Lavoura