Surge o Vale do Piracicaba, primeiro polo de tecnologia agrícola do País

Publicado em 5/05/2016

Sergio Marcus Barbosa, gerente da ESALQTec: “Seria uma satisfação encontrar uma máquina ou um implemento, no futuro, com o selo e a frase: Produzido no Vale do Piracicaba”. Foto: Assessoria de Comunicação da Esalq/USP

Sergio Marcus Barbosa, gerente da EsalqTec, diz que “seria uma satisfação encontrar uma máquina ou um implemento, no futuro, com o selo e a frase: Produzido no Vale do Piracicaba”. Foto: Assessoria de Comunicação da Esalq/USP

Pesquisadores e empreendedores do agronegócio lançaram, recentemente, o AgTech Valley, também conhecido como  Vale do Piracicaba, primeiro polo brasileiro de tecnologia voltado à inovação agrícola, localizado em Piracicaba, no interior de São Paulo. A iniciativa foi idealizada na incubadora tecnológica da Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo), a EsalqTec, com o apoio de professores da universidade e de empresários locais.

“A tecnologia, a inovação e a geração de conhecimento para a agricultura sempre estiveram presentes na história de Piracicaba; sendo assim, entendemos a necessidade de reconhecer, de fortalecer e de criar uma identificação da sociedade local com esse ecossistema tecnológico”, justifica o engenheiro agrônomo e consultor em agronegócios Sergio Marcus Barbosa, gerente executivo da EsalqTec e presidente do Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia.

Na ocasião, também foi lançado o site (http://www.valedopiracicaba.org/) e o Selo AgTechValley, de domínio público, para todos os interessados em associá-lo à sua marca e negócio, principalmente os tecnológicos, remetendo-o ao Vale do Piracicaba. “Seria uma satisfação encontrar uma máquina ou um implemento, no futuro, com o selo e a frase: Produzido no Vale do Piracicaba”, vislumbra.

O gerente da EsalqTec espera que a iniciativa traga resultados diretos para a região. “Nossa expectativa é que o AgTechValley contribua para o desenvolvimento das nossas empresas e instituições de ensino, atraia novos empreendimentos identificados com a tecnologia para a agricultura; além de contribuir para o reconhecimento e o fortalecimento de uma cultura de colaboração para a inovação.”

Segundo ele, a economia local é beneficiada, bem como os setores de turismo de negócios, imobiliário, de prestação de serviços e fornecimentos de produtos e matérias-primas, “o que resulta na geração de renda e empregos, e, consequentemente, estende essas oportunidades para o Estado de São Paulo e para a União.

De acordo com Barbosa, depois do lançamento do AgTechValley, a campanha terá continuidade, com encontros empresariais setoriais para avaliar os desdobramentos da iniciativa. “Outro ponto a ser discutido é a formatação de políticas públicas para adequar a essa nova condição, com o envolvimento da sociedade civil no processo”, diz.

“Por meio do seu parque tecnológica e da EsalqTec – Incubadora Tecnológica, Piracicaba está na vanguarda para abrigar, apoiar e oferecer condições necessárias para o sucesso de novos empreendimentos. É muito forte a presença de empresas de TI / inteligência de negócios, biotecnologias e energia renováveis que atuam em todo o território brasileiro”, ressalta o gerente da ESALQTec.

 

POLO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO

A Esalq reúne cerca de 3 mil alunos, 250 docentes e 150 laboratórios, além de abrigar 89 empresas agrícolas no Vale, de startups a grandes companhias. Barbosa lembra que a cidade se destaca como importante polo tecnológico e acadêmico. Conta com a presença de universidades como a USP (Esalq e Cena – Centro de Energia Nuclear na Agricultura), Unicamp (Universidade Estadual de  Campinas, campus de Piracicaba), Fatec (Faculdade de Tecnologia), Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba) e Escola de Engenharia de Piracicaba. Contempla também um parque tecnológico, com foco em energias renováveis e bioprodutos, além de uma incubadora tecnológica para empresas inovadoras no setor do agronegócio.

Grandes companhias de tecnologias para a agricultura têm sede na região, como Raizen, Mérieux (Bioagri), Fermentec, Mausa, Biomim, CJ do Brasil, CNH, Bug, Kopert, Caterpillar do Brasil, Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), além de diversas empresas de TI e startups. “Ou seja, Piracicaba conta com um ecossistema tecnológico muito consolidado, com grande interação universidades&empresas, gerando conhecimento, produtos e serviços inovadores”, enfatiza.

 

MAIS VISIBILIDADE

Paulo Roberto Checoli, presidente da Associação Comercial e Industrial de Piracicaba (Acipi), acredita também que o AgtecValley deverá reunir empreendimentos tecnológicos na área do agronegócio. “Essa iniciativa vai conferir ainda mais visibilidade ao polo local que, na prática, já atua como referência para o empreendedorismo nesse segmento da economia brasileira”, comenta.

Checoli afirma que não é à toa que a nomenclatura da região tem relação com o Vale do Silício, grande polo de tecnologia localizado nos Estados Unidos. “Lá, as startups têm como referência as atividades da Universidade de Stanford. Aqui, a Esalq/USP desenvolve este mesmo papel, porém, no agronegócio”, compara.

 

“Região será referência mundial em desenvolvimento tecnológico no universo do agronegócio”, prevê Paulo Roberto Checoli, presidente da Associação Comercial e Industrial de Piracicaba (Acip). Foto: Acipi/Divulgação

“Região será referência mundial em desenvolvimento tecnológico no universo do agronegócio”, prevê Paulo Roberto Checoli, presidente da Associação Comercial e Industrial de Piracicaba (Acipi). Foto: Acipi/Divulgação

A Acipi é uma das apoiadoras desse projeto e representa a classe empresarial piracicabana, com mais de 4.500 empresas associadas dos setores do comércio, indústria e prestação de serviços, e tem como prioridade de atuação a geração de emprego e renda no município. “Esse desenvolvimento será um dos pontos altos do Vale do Piracicaba, captando novos negócios, empreendimentos, eventos técnicos e corporativos etc., enfim, a região será referência mundial em tecnologias no universo do agronegócio”, reforça.

Checoli acredita que o Vale do Piracicaba será favorável à economia local. “Por isso, essa união do poder público e das entidades de classe é fundamental no sentido de criar uma marca que vai agregar ainda mais valor ao que é produzido e desenvolvido na região”, acentua e acrescenta: “O Vale do Piracicaba vem para consolidar e elevar o nome da nossa cidade que terá maior visibilidade, não só em território nacional, mas também internacionalmente, como um município inovador, o que, de fato,movimentará a nossa economia e beneficiará todas as camadas da população.”

 

Por equipe SNA/SP

Boletim semanal de notícias da SNA por e-mail.

Cadastre-se para receber o boletim

Veja as últimas edições

 

Últimas notícias