NASA confirma dados da Embrapa sobre áreas agrícolas e preservação ambiental no Brasil

27/12/2017|

Evaristo de Miranda, chefe geral da Embrapa Territorial, afirma que “21% do Brasil é o que os produtores dedicam à preservação da vegetação nativa e da biodiversidade dentro de seus imóveis rurais”. Foto: Divulgação

 

Dados divulgados recentemente pela Agência Espacial Americana (NASA), e que já haviam sido anunciados, de forma similar, pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), desmentem a teoria, por parte de alguns ambientalistas, de que a agricultura do Brasil é responsável pelo aumento dos desmatamentos em áreas de vegetação nativa.

A NASA e o Serviço Geológico dos EUA publicaram um estudo, baseado em monitoramento por satélite, sobre as áreas cultivadas do planeta. Em relação ao Brasil, a agência americana calculou a área de lavouras do país em 63.994.479 hectares, o que corresponde a 7,6%. A Embrapa, por sua vez, havia feito esse cálculo em 2016, também via satélite, e chegou a um resultado bem próximo: 65.913.738 hectares (7,8%).

O estudo americano, citado em recente artigo de Evaristo de Miranda, chefe geral da Embrapa Territorial, revela que a maior parte dos países utiliza de 20% a 30% de suas áreas com atividade agrícola, sendo que as nações que integram a União Europeia fazem uso de 45% a 65% de seu território para essa finalidade. Já o Brasil consegue cultivar 7,8% com tecnologia e pessoal qualificado.

Além disso, afirma Miranda em seu artigo, “21% do Brasil é o que os produtores dedicam à preservação da vegetação nativa e da biodiversidade dentro de seus imóveis rurais”. O pesquisador informa ainda que “são mais de 177 milhões de hectares registrados no CAR (Cadastro Ambiental Rural), sem nenhuma compensação financeira nem ajuda governamental”.

 

MAPEAMENTO

“Esses dados e mapas, corroborados agora pela NASA e certamente pelo Censo Agropecuário, devem ser divulgados para reduzir a visão distorcida de muitos sobre a agricultura brasileira”, destaca Miranda, que este ano apresentou suas estatísticas durante palestra na Sociedade Nacional de Agricultura (SNA).

De acordo com o chefe geral da Embrapa, em relação à ocupação de terras no Brasil, 61% do país é composto por vegetação nativa, e 38,7% por propriedades rurais, sendo 11% de vegetação preservada nesses imóveis; 8% de lavouras e florestas plantadas e 19,7% de pastagens. Cidades, macrologística, mineradoras, entre outros, somam 11,3%.

Além disso, o Brasil abriga atualmente 1871 unidades de conservação; 600 unidades de terras indígenas; 2471 áreas protegidas e 68 áreas militares.

 

>> Leia aqui o artigo de Evaristo de Miranda.

 

Equipe SNA/Rio

Compartilhe nas redes sociais!