Marca do PMGZ vai identificar animais superiores de sete raças rebuínas

25/08/2017|

Arnaldo Manuel de Souza Machado Borges, presidente da ABCZ, marca um animal: ‘O PMGZ tem, agora, uma marca forte, exclusiva’. Foto: divulgação

Com mais de 13 milhões de animais avaliados, o Programa de Melhoramento Genético de Zebuíno (PMGZ), da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), agora tem um marca exclusiva, criada para identificar os animais superiores em cada safra.

Durante o lançamento da marca, realizado nesta semana, na ExpoGenética, em Uberaba (MG), foram marcados os primeiros exemplares das raças Brahman, Gir, Guzerá, Indubrasil Nelore, Sindi e Tabapuã, que se destacaram na sua safra, conforme avaliação do PMGZ.

“Maior programa de melhoramento genético do mundo, o PMGZ tem, agora, uma marca forte, exclusiva”, afirma Arnaldo Manuel de Souza Machado Borges, presidente da ABCZ.

Segundo Henrique Ventura, superintendente técnico adjunto da ABCZ, a marca do PMGZ valoriza o animal e identifica 20% dos machos e fêmeas que mais se destacarem em cada safra. “É um complemento do registro genealógico da associação”, diz ele.

“O registro e a marca caranguejo, da ABCZ, que tem mais de 80 anos, atestam que o animal é um zebuíno de qualidade e pode ser usado para reprodução. Já a marca do PMGZ, comprova que o macho ou a fêmea se destacou na safra”, explica.

De acordo com Ventura, além de estar entre 20% dos melhores da safra, para se habilitar a receber a Marca do PMGZ, o animal deve ter registro definitivo (RGD) da ABCZ. “A seleção dos animais que vão receber a marca é feita através do índice ABCZ de avalição genética”, afirma.

A marca, feita na perna direita dos animais melhores avaliados, tem formato de Z (de zebu) e, ao centro, o símbolo de infinito, que remete ao desenho de um DNA.

‘A seleção dos animais a receberem a marca é feita através do índice ABCZ de avalição genética’, afirma Henrique Ventura, superintendente técnico adjunto da ABCZ. Foto: Cristiano Bizzinotto

As marcações dos primeiros exemplares foram feitas pelos técnicos da ABCZ e acompanhadas por representantes das associações das raças zebuínas e da diretoria da ABCZ. Na raça Nelore, um dos primeiros a receberem a marca foi um crioulo da Fazenda Terra Boa, adquirido pelo criador Eduardo José Bernardes Filho; no Sindi, um exemplar da criadora Helena Leonel; e, no Brahman, um animal de Adalberto Cardoso.

O PROGRAMA


Atualmente, mais de 1.900 criadores participam do PMGZ Corte e mais de 370 do PMGZ Leite. Segundo a ABCZ, o objetivo do PMGZ é auxiliar os criadores no processo de seleção, identificando os bovinos mais precoces, férteis, de melhores índices de ganho de peso ou de produção leiteira.

Uma das inciativas do programa é o Circuito 100% PMGZ, aberto aos pecuaristas brasileiros. Realizado em vários estados, tem como proposta reforçar o melhoramento genético como ferramenta para a evolução dos rebanhos zebuínos.

Por Equipe SNA/SP