INTL FCStone aumenta projeção para safra de soja para 110.1 milhões de toneladas

11/01/2018|

A INTL FCStone elevou a sua estimativa para a safra 2017/18 de soja de 107.6 para 110.1 milhões de toneladas em sua revisão de janeiro, um aumento de 2,34%. Mais uma vez, essa elevação decorreu de revisões em números de produtividade em vários estados do país, enquanto a área plantada foi mantida inalterada. Mesmo com os atrasos no plantio, devido à demora da normalização das chuvas, atualmente as condições das lavouras estão muito favoráveis e o clima está contribuindo para a perspectiva positiva. Com isso, a produtividade média esperada ficou em 3,15 toneladas por hectare. De qualquer maneira, o clima segue sendo acompanhado de perto com as lavouras passando pela fase de enchimento de grão. Em estados onde o plantio ocorre mais tarde, o clima em fevereiro também é determinante.

Balanço de Oferta e Demanda – Soja 

As exportações de soja surpreenderam em 2017, o que resultou em estoques de passagem um pouco menores que os estimados pela Conab em dezembro. Para o ciclo 2017/18, mesmo com o aumento da estimativa de produção, as exportações de soja não devem ser tão elevadas, com uma disponibilidade menor da oleaginosa. Como o consumo interno tende a crescer, destacando o aumento da mistura de biodiesel no diesel para 10%, os estoques finais devem ficar abaixo de 2 milhões de toneladas.

Milho – 1ª safra

Para a safra de verão de milho, a INTL FCStone não trouxe mudanças em relação aos números de dezembro. Espera-se uma produção de 23.4 milhões de toneladas, queda de 23% em relação ao ciclo anterior. No caso do milho, o clima também está, no geral, favorável. Somente no Rio Grande do Sul, onde as condições estão mais secas, que há alguma preocupação com impactos negativos sobre as lavouras. De qualquer maneira, a produtividade estimada para o estado já está mais baixa que o alcançado no ciclo anterior.

Milho – 2ª safra 

Em sua revisão de janeiro, a INTL FCStone trouxe leve redução da safrinha de milho, que ficou em 63.2 milhões de toneladas. Esse ajuste decorreu de uma leve queda na área plantada do Paraná. Com os atrasos no plantio da soja, a janela de plantio da safrinha deve ficar mais restrita, com parte da cultura sendo semeada fora do período ideal. Quanto mais tarde a segunda safra é semeada, maior é o risco climático a que ela está sujeita, pois as chuvas vão ficando escassas em grande parte do país. Diante desse cenário, há alguma expectativa de queda de área e além de menores investimentos por parte dos produtores, na tentativa de minimizar potenciais prejuízos. Assim, também se estima uma produtividade menor que a registrada na safrinha do ano passado.

Balanço de Oferta e Demanda – Milho 

Para o milho, as expectativas são de manutenção de um balanço de oferta e demanda folgado, mesmo com uma produção menor, uma vez que os estoques de passagem estão muito elevados. Contudo, tal cenário pode mudar caso haja problemas na safra de inverno.

 

Fonte: INTL FCStone

Compartilhe nas redes sociais!