‘Esperamos ver novas marcas e novos produtos orgânicos em 2013’, diz Sylvia Wachsner

18/12/2012|Tags: |

O setor de orgânicos movimenta hoje, no Brasil, cerca de meio bilhão de reais, cresce em torno de 20% ao ano e é abastecido por mais de 90 mil produtores que têm alguma produção orgânica ou agroecológica, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Além de contribuir para a qualidade de vida, esses produtos protegem o meio ambiente e contemplam o uso responsável do solo, da água e do ar, bem como dos demais recursos naturais, respeitando as relações sociais e culturais. Sua produção é feita sem a utilização de agrotóxicos ou adubos químicos e existem dois conceitos fundamentais nesse sistema: a relação de confiança entre produtor e consumidor e o controle de qualidade.

Segundo a coordenadora do CI Orgânicos da Sociedade Nacional de Agricultura, Sylvia Wachsner, a produção orgânica continua crescendo e, em 2012, houve incremento das feiras orgânicas em diversos municípios brasileiros e desse tipo de produto nas prateleiras dos supermercados. “Em relação às exportações de orgânicos, dados da Apex indicam que houve crescimento de 50% em relação ao registrado em 2011”, destaca.

Entre as iguarias que os consumidores podem encontrar nas prateleiras e nas feiras orgânicas  está uma grande variedade de hortigranjeiros e frutas.

Leia a seguir a entrevista com Sylvia Wachsner sobre o tema:

SNA: Como está a conscientização dos consumidores em relação à importância dos produtos orgânicos?

SW: A produção orgânica continua  crescendo e, neste ano, houve incremento das feiras de produtores nos diversos municípios brasileiros, assim como aumento dos espaços para esses tipos de produtos nas prateleiras dos supermercados. Para os importadores de produtos orgânicos, sejam de ingredientes ou alimentos prontos, 2012 foi um ano mais complicado, devido à exigência de os produtos serem certificados conforme a regulamentação brasileira. Esse fato exigiu investimentos no exterior para implementar essa compatibilidade. Assim, os alimentos orgânicos e insumos importados só começaram a chegar ao  mercado a partir do segundo semestre de 2012. Aos poucos, encontramos novas variedades de produtos nas feiras e no varejo, mas a produção orgânica ainda não é comparável à convencional. Ela respeita a sazonalidade dos produtos, ao não utilizar derivados químicos ou de petróleo, que permitem o cultivo o ano todo. Em São Paulo, por exemplo, foram abertos novos espaços que comercializam esses alimentos e chefs de cozinha estão fechando parcerias com produtores para utilizar produtos orgânicos nos cardápios.

SNA: O que é possível encontrar nas prateleiras dos supermercados na área de orgânicos?

SW: Atualmente, é possível encontrar nos supermercados e nas feiras municipais uma grande variedade de hortigranjeiros e frutas orgânicas.  Nos supermercados, é possível adquirir diversos produtos industrializados, como geleias, sucos, pães, bolos, biscoitos e sorvetes; diversos grãos, entre eles feijão, arroz, açúcar e café, assim como carnes de frango e bovina; frutas, como bananas, ameixas, figos e laranjas; e produtos da biodiversidade brasileira, como castanhas do Brasil (Pará) e de caju e açaí. A variedade de produtos chega aos vinhos e cosméticos orgânicos.  Em algumas cidades é possível adquirir queijos, iogurtes e leite orgânico, mas a produção dos laticínios com base nesse sistema ainda é pequena. Alguns produtores começaram a distribuir seus produtos em 2012 e esperamos que, ao longo de 2013, mais produtores e cooperativas comercializem laticínios orgânicos, já que existe demanda.

SNA: Alguma novidade de produto para 2013?

SW: A indústria de alimentos orgânicos, por ser menor e ter mais facilidade de negociação com os pequenos produtores,  consegue mais facilmente lançar produtos e atender a nichos de mercado, ao contrário da indústria de alimentos convencionais. Esperamos que este seja o caso em 2013: que os produtos industrializados, oriundos de cooperativas de agricultores familiares ou pequenas agroindústrias,  incrementem sua distribuição nacional e continuem apresentando novos produtos que incorporem ingredientes da biodiversidade brasileira, como castanhas de baru ou caju, geleias e sucos que misturem diversos sabores de frutas para atingir novos nichos de mercado. Os setores de carnes e de laticínios orgânicos têm uma enorme demanda e esperamos ver novas marcas e novos produtos no mercado em 2013. Os produtos industrializados agregam valor aos pequenos produtores orgânicos.

SNA: Como está o crescimento deste tipo de produção?

SW: Lamentavelmente, ainda não temos estatísticas oficiais relativas à produção brasileira e à comercialização de orgânicos, mas, conforme indicam os principais varejistas e agroindústrias, as vendas crescem aproximadamente 20% ao ano. Em relação às exportações, novamente carecemos de dados oficiais, mas dados da Apex indicam que elas aumentaram 50% em relação a 2011, superando as expectativas. Existe demanda por produtos orgânicos brasileiros no exterior, sobretudo por commodities como açúcar, soja e café. Esses mercados são atendidos pelas tradings companies e, no caso de produtos da biodiversidade, como caju, castanha do Brasil e açaí, por cooperativas de agricultores.