Edição 699 d’A Lavoura destaca Indicação Geográfica: Café da Região do Cerrado Mineiro

08/02/2018|

O café da Região do Cerrado Mineiro é cultivado em condições climáticas únicas desse tipo de bioma em Minas Gerais, resultando em um produto com alto padrão de qualidade. Foto: Divulgação A Lavoura – Edição nº 699

O café produzido no Cerrado Mineiro resulta de um terroir influenciado pelas características exclusivas da região, que possui perfeita definição das estações climáticas, com verão quente e úmido e inverno ameno e seco.

Solo, clima, variedades plantadas e sistemas de cultivo conferem identidade única ao café do Cerrado Mineiro. É o que publicou a Revista A Lavoura na edição nº 699 do ano de 2013.

Com altitude variando de 800 a 1.250 metros, temperatura entre 18°C e 23°C e índice pluviométrico de 1.600 milímetros por ano, a região é livre de geadas, uma das principais ameaças aos cafezais de outras regiões produtoras. Sua topografia plana favorece a mecanização das lavouras, cujos principais diferenciais são as floradas intensas e a maturação uniforme dos grãos, que permite a colheita concentrada.

Procedência
Registro IG 990001 - INPI Denominação de Origem/2013 
Área Geográfica Delimitada: 155 mil hectares (55 municípios da região Noroeste de Minas Gerais)
Altitude: de 800 a 1.300 metros

CARACTERÍSTICAS SENSORIAIS

Os aromas intensos, com notas que variam do caramelo a nozes, a acidez delicadamente cítrica, corpo moderado a encorpado e sabor achocolatado de longa duração, são as características do café produzido na região.

O Café da Região do Cerrado Mineiro conquistou a Indicação de Procedência, do instituto nacional de Propriedade industrial (Inpi), em 2005 e a Denominação de Origem em 2013.

O produto é garantido pelo Selo de Origem e qualidade da Região do Cerrado Mineiro, que atesta a origem do café produzido, ou seja, na área demarcada que abrange 55 municípios da região noroeste de minas Gerais.

O café da Região do Cerrado Mineiro obedece a um programa de avaliação de conformidade com o processo de certificação da propriedade produtora de café que avalia as boas práticas agrícolas, a responsabilidade social, a rastreabilidade e o respeito ao meio ambiente.

O selo também garante a qualidade mínima do produto, que deve atingir 75 pontos, conforme escala da Associação Americana de Cafés Especiais. os lotes de café seguem para armazéns credenciados, onde são classificadas as características sensoriais e emitido um laudo. Em seguida, é expedido um certificado e cada saca de café recebe um lacre e um código de barras que pode ser rastreado.

VALOR COMPARTILHADO

“Café produzido com Atitude — ético, rastreável e de alta qualidade” é o lema dessa associação de produtores, organizados na Federação dos Cafeicultores do Cerrado, que reúne seis associações e oito cooperativas.

Para eles, o “café de atitude” deve gerar “valor compartilhado” para todos os envolvidos. é papel da Fundação do Café do Cerrado atuar na geração de valor ao café para toda a cadeia produtiva. A Indicação Geográfica concedida pelo INPI protege e distingue o produto no mercado mundial.

INFORMAÇÕES

Federação dos Cafeicultores do Cerrado
Endereço: Rua Rio Branco, 231 | Cidade: Patrocínio/MG | CEP: 38.740-000
Site: www.cerradomineiro.org
Telefone: 34 3831-2096
E-mail: comunicacao@cerradomineiro.org

OUTROS DESTAQUES 

Leia gratuitamente outros destaques da edição nº 699 da Revista A Lavoura!

Leia as publicações mais antigas (exceto as três ultimas, em virtude das condições especiais para quem assina), acessando www.sna.agr.br/publicacoes/a-lavoura.

Para assinar e receber as versões impressas exclusivas para assinantes, no conforto de sua casa, envie um e-mail para assinealavoura@sna.agr.br.

Siga-nos também no Facebook e no Instagram (@revistaalavoura.sna)!

Fontes: Indicação Geográfica e Revista A Lavoura – Edição nº 699

 

Compartilhe nas redes sociais!