Dólar fecha em baixa acompanhando o mercado internacional

11/01/2018|

O dólar comercial fechou em baixa de 0,30%, cotado a R$ 3,2178 para compra e a R$ 3,2185 para venda, com máxima a R$ 3,2412 e mínima a R$ 3,2178, influenciado pela fraqueza da divisa norte-americana frente a algumas moedas de países emergentes em dia de agenda doméstica esvaziada.

O dólar fechou na menor cotação desde 28 de novembro (R$ 3,2087).

“O dólar abriu em alta com uma tentativa de correção em cima das perdas de ontem, mas depois dos dados americanos, passou a cair”, disse um profissional da mesa de câmbio de uma corretora local.

Neste ano, a moeda subiu apenas em duas das oito sessões, acumulando uma queda de 2,89%, com fluxo de recursos e um pouco mais de otimismo do mercado com o cenário político e a reforma da Previdência.

No mercado internacional, por volta das 17h40 (Horário de Brasília), o Dollar Index estava em baixa de 0,53%, cotado aos 91,62 pontos, enquanto o euro estava em alta de 0,75%, cotado a US$ 1,2037.

O ambiente externo conta com perspectiva de crescimento da atividade global e desaceleração apenas gradual da oferta de liquidez no mundo. Apesar das preocupações com um eventual aumento da pressão inflacionária nos EUA, os indicadores ainda apontam para preços contidos no país. Hoje, foi a vez do índice de preços ao produtor (PPI) ficar aquém das expectativas, aliviando a perspectiva de um aperto monetário mais duro pelo Federal Reserve.

Outro fato que chamou a atenção nos últimos dias, a alta dos juros dos Treasuries perdeu fôlego. Os dados da economia local contribuem para a diminuição da pressão. Mas, além disso, a Administração Estatal de Divisas da China minimizou a informação de que o país poderia reduzir a compra dos títulos. A posição de Treasuries do país é a maior do mundo, de US$ 1.2 trilhão, deixando o mercado altamente sensível a quaisquer mudanças nas suas políticas em relação a reservas internacionais. Hoje, após os comentários oficiais, os rendimentos dos Treasuries operam em queda.

A expectativa do Rabobank Brasil é de que o dólar ficará em torno de R$ 3,40 ao final deste ano, assumindo uma redução da liquidez global até o final do ano. “Esta última (questão) seria preponderante a um possível maior otimismo com a economia brasileira após um desfecho (que por hipótese projetamos como) favorável no âmbito político, no que concerne as chances de reformas locais em 2019”, disse o economista-chefe do banco, Maurício Oreng.

Por ora, entretanto, o real estaria próximo de um patamar justo no curto prazo. A leitura no Rabobank Brasil se apoia no uso de modelos econométricos, dadas as condições atuais de mercado. Isso inclui as expectativas para a execução de reformas no Brasil no médio prazo.

O mercado ainda aguarda o julgamento do ex-presidente Lula no final de janeiro, sob a expectativa de que confirme condenação da primeira instância. Caso isso se confirme numa decisão unânime, o petista terá menos opções para recorrer e a candidatura para Presidência fica em risco, abrindo espaço para outros nomes que são recebidos de forma mais positiva pelos os agentes financeiros. Por outro lado, uma decisão mais dividida promete trazer alguma reversão do bom humor deste começo de ano.

Compartilhe nas redes sociais!