Conab eleva ligeiramente previsão de safra de soja 2017/18 do Brasil

09/11/2017|

A safra de soja do Brasil 2017/18 foi estimada nesta quinta-feira, 9 de novembro, entre 106.4 milhões e 108.6 milhões de toneladas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que elevou ligeiramente sua estimativa na comparação com a previsão divulgada em outubro.

No mês passado, na sua primeira estimativa para a safra, a Conab havia previsto um intervalo entre 106 e 108.2 milhões de toneladas para a soja.

A produção do maior exportador global da oleaginosa deverá recuar em relação a temporada passada, quando somou um recorde de cerca de 114 milhões de toneladas, devido a produtividades muito boas beneficiadas pelo clima favorável.

A produção de grãos da safra 2017/2018 deve ficar entre 223.3 e 227.5 milhões de toneladas segundo a estimativa de intenção de plantio do 2º Levantamento da safra, divulgada nesta quinta-feira pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A estimativa representa um recuo entre 4,4% e 6,2% em relação à safra passada, que foi de 238 milhões de toneladas.

A perspectiva de redução se deve ao fato de que a safra passada registrou recorde de produtividade graças às boas condições climáticas, cenário que pode não se repetir. Para se ter uma ideia, a soja alcançou produtividade de 3.364 kg/hectare na safra 2016/2017. Para a safra atual, a produtividade estimada é de 3.075 kg/hectare, com base nas análises estatísticas das séries históricas e dos pacotes tecnológicos utilizados nos últimos anos.

Já com relação à área plantada, favorecida pelo aumento do plantio de algodão e, sobretudo, da soja, espera-se a manutenção ou um aumento de até 1,9%, podendo alcançar números que variam de 61 a 62 milhões de hectares.

Soja e milho, as principais culturas desta safra, devem responder por 89% dos grãos produzidos no País. A expectativa é de que a produção de soja alcance entre 106.4 e 108.6 milhões de toneladas e a do milho total, entre 91.6 e 93.1 milhões de toneladas, distribuídas entre primeira e segunda safra. A primeira safra de milho pode alcançar números menores que os do último período e ficar entre 24.5 e 25.9 milhões de toneladas, enquanto que a segunda safra pode alcançar 67.2 milhões de toneladas.

A área do milho primeira safra deve recuar de 7,5% a 11,5% em relação a 2016/2017, o que vai refletir na diminuição da área total da cultura, estimada entre 409.600 e 631.600 hectares. No caso da soja, a maior liquidez e a possibilidade de melhor rentabilidade frente a outras culturas deve estimular o preparo de uma maior área para produção, com elevação média de 3,1%, algo entre 34.6 e 35.3 milhões de hectares.

A produção e a área de algodão, feijão-comum preto e mamona deverão aumentar, assim como o amendoim primeira safra que sinaliza melhor número na área. A pesquisa foi feita nos principais centros produtores de grãos do país, entre os dias 23 a 27 de outubro.

Acesse aqui o levantamento.

 

Fonte: Reuters/Conab